Banner Mach
Banner Nova

SC tem gás de cozinha mais caro que a média nacional; confira valores por cidades

Brasília(DF), 01/06/2018 - Gás de cozinha - Foto: Daniel Ferreira/Metrópoles

Santa Catarina registra a venda do gás de cozinha mais caro que a média nacional. Além disso, apenas uma cidade do Estado comercializa o botijão de 13 kg abaixo de R$ 100.

De acordo com a pesquisa semanal da ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis), realizada entre os dias 14 de novembro e o último sábado (20), a média de preços do gás de cozinha está em R$ 109,73 no Estado.

O preço médio nos 3.614 postos pesquisados em todo o Brasil é de R$ 102,27, ou seja, R$ 7,46 mais barato que o praticado em Santa Catarina. Além disso, outros 17 estados estão acima da média nacional.



Para receber as notícias da página São Bento Notícias pelo WhatsApp no seu celular clique aqui!

Levando em consideração o levantamento da ANP, seis Estados comercializam o gás de cozinha por mais de R$ 110. O Mato Grosso é o detentor do preço mais caro do Brasil, estabelecido em R$ 123,55.

Apenas uma cidade de SC vende abaixo de R$ 100

Apenas Laguna registrou o preço médio do gás de cozinha abaixo de R$ 100 entre as 18 cidades pesquisadas em Santa Catarina.

O levantamento aponta ainda que o município do Sul do Estado comercializa o produto mais barato do Estado. Conforme a pesquisa, o gás de cozinha no Ademir Pacheco Luiz, no bairro Magalhães, em Laguna, é vendido por R$ 92,99.

Por outro lado, três municípios registram o preço médio de, no mínimo, R$ 120. Caçador, no Oeste de Santa Catarina, comercializa o botijão de 13 kg por até R$ 135.

O levantamento da ANP indica ainda que o gás aumentou R$ 30,50 em um intervalo de apenas um ano em Santa Catarina. O preço médio praticado em novembro de 2020 era de R$ 79,23, ou seja, uma diferença de 38,49%.

 

Auxílio Gás

As famílias de baixa renda inscritas no CadÚnico serão beneficiadas pelo Auxílio Gás, sancionado na última segunda-feira (22).

Terá direito ao auxílio, quem tem renda familiar mensal per capita menor ou igual a meio salário mínimo nacional ou que tenham entre seus membros residentes no mesmo domicílio quem receba o benefício de prestação continuada da assistência social.

Segundo a Lei, o auxílio será concedido preferencialmente às famílias com mulheres vítimas de violência doméstica que estejam sob o monitoramento de medidas protetivas de urgência.

As famílias com direito ao benefício receberão, a cada bimestre, o valor correspondente a uma parcela de, no mínimo, 50% da média do preço nacional de referência do botijão de 13 kg do gás de cozinha.

Clique em Curtir Página