São Bento Notícias - Notícias na hora da Região
Prefeitura de São Bento do Sul
Prefeitura de São Bento do Sul

Equipe da NSC TV afiliada a globo é agredida ao gravar reportagem em Florianópolis ; confira o vídeo

Oxford

Uma equipe da NSC TV, afiliada da Rede Globo em Santa Catarina, foi agredida na manhã desta 2ª feira (2.out.2020) enquanto gravava reportagem sobre descumprimento de regras para evitar a propagação do novo coronavírus na praia durante o feriado de Finados. O caso aconteceu na frente de 1 posto salva-vidas na Praia do Campeche, em Florianópolis.

No momento em que faziam uma gravação, 1 grupo avançou sobre a repórter Bárbara Barbosa e o repórter cinematográfico Renato Soder. Eles foram cercados por pessoas que estavam na faixa de areia e desrespeitavam decretos municipal e estadual de restrições contra a covid-19.

Algumas pessoas avançaram sobre a câmera, ameaçando quebrar o equipamento. Depois, outras tentaram tirar das mãos da repórter o celular enquanto era gravada a agressão.

Bárbara Barbosa foi cercada por parte do grupo e uma mulher pegou o aparelho. Após a confusão, a repórter conseguiu recuperar o celular. Ela sofreu arranhões e marcas de agressão no braço.

Assista o momento da agressão, registrado pela repórter com o celular (2min15seg):

 

A Polícia Militar e a Guarda Municipal foram acionadas. Um boletim de ocorrência foi registrado pela emissora na 6ª Delegacia de Polícia de Florianópolis.

“O ataque e a agressão à equipe da NSC, nesta segunda-feira na Praia do Campeche, são uma tentativa de impedir o trabalho da imprensa, de levar os fatos ao conhecimento público – o que é garantido pela Constituição federal. Atitudes como esta, que infelizmente mostramos no Jornal do Almoço, estão se repetindo no país inteiro. Mas elas revelam e fortalecem a importância do nosso trabalho. Os agressores responderão pelos seus atos. E nós vamos continuar fazendo o que fazemos: jornalismo profissional, independente e essencial para a sociedade catarinense”, disse a emissora em nota.

 

 

De acordo com a Federação Nacional de Jornalistas, o número de agressões aos profissionais de imprensa saltou de 135 em 2018 para 208 casos em 2019.

ENTIDADES REPUDIAM AGRESSÃO

A Associação Nacional de Jornais, em nota, lamentou o ataque aos profissionais da NSC TV, o qual considerou 1 ato “covarde, autoritário, intolerante”, que demonstra falta de compreensão do papel dos jornalistas na sociedade. “Trata de um ataque ao direito das pessoas de serem livremente informadas”, disse.

Em nota, a Associação Catarinense de Imprensa manifestou solidariedade aos profissionais e repudio à agressão. Para a associação, a tentativa de “calar a imprensa” dos agressores “é uma atitude irresponsável e perigosa de pessoas que flertam com o autoritarismo sem ao menos entender as implicações históricas de tal atitude”.

“Os ataques aos jornalistas e ao jornalismo ferem a democracia e tem consequências imprevisíveis para as liberdades de todos. Ainda que os fatos relatados contrariem convicções, é inaceitável que sejam feridos princípios básicos de urbanidade e civilidade, ao ponto de profissionais serem cercados e agredidos simplesmente por estarem trabalhando”, dia a nota.

“Espera-se que os agressores sejam devidamente identificados e exemplarmente punidos, na forma da lei.”

A Acaert (Associação Catarinense de Emissoras de Rádio e Televisão) publicou nota de repúdio à atitude do grupo que agrediu os jornalistas.

“Qualquer tipo de intimidação ou constrangimento ao trabalho de equipes de reportagem em sua missão de informar a população configura um atentado contra a liberdade de imprensa, principalmente neste momento de pandemia”, diz a nota. “Desta forma, pedimos que as autoridades identifiquem e punam exemplarmente os responsáveis pela agressão, destacando que qualquer tentativa de cercear os meios de comunicação são, também, um crime contra a democracia.”

Em nota conjunta, a Fenaj (Federação Nacional dos Jornalistas) e o Sindicato dos Jornalistas manifestaram solidariedade aos profissionais e colocaram suas assessorias jurídicas à disposição Bárbara e Renato.

“As imagens falam por si. Não se configurou, nas imagens captadas pelos profissionais, a violação da intimidade, da vida privada, da honra e da imagem das pessoas, mas sim o registro, em ambiente público, uma praia, de pessoas desrespeitando todas as normas municipais e estaduais de prevenção individual e coletiva à contaminação pelo novo coronavirus. Mais que isso, os responsáveis por estes atos cometeram os crimes de agressão, impedimento ao trabalho dos profissionais, cerceamento à liberdade de imprensa e atentado ao Estado Democrático de Direito. Tão absurdas quanto as agressões físicas e verbais foram as manifestações de diversos outros populares – a maioria sem máscaras – apoiando as atitudes dos agressores”, diz a nota.

“Bárbara e Renato registraram Boletim de Ocorrência na 6ª Delegacia de Polícia de Florianópolis. O Sindicato dos Jornalistas de Santa Catarina coloca sua Assessoria Jurídica à disposição dos colegas e exige das autoridades de segurança pública medidas para identificar e criminalizar os agressores.”

%d blogueiros gostam disto: