São Bento Notícias - Notícias na hora da Região
sex. nov 15th, 2019
Prefeitura de São Bento do Sul

Mesmo preso Vereador César Godoy tenta coagir testemunhas

Uma nova testemunha no caso do vereador Cezar Godoy, demostra que réu mesmo preso e através de advogados, insiste em coagir testemunhas, um novo inquérito foi aberto na delegacia da Policia Civil, após a denuncia de coação psicológica contra a testemunha. Com as novas provas contra o vereador, a justiça negou a liberdade provisório do réu, mantendo a prisão preventiva do acusado.

Segue abaixo as conversas entre a testemunha e os advogados do réu.

Referidos fatos novos demonstram que mesmo preso
preventivamente, César Godoy, por meio de interpostas pessoas, no caso suas
sócias no escritório de advocacia, tem atuado para acobertar seus atos criminosos e prejudicar a instrução criminal.
Referidos atos não somente atentam contra a presente instrução.

Conversas

Não falar na oportunidade em que for ouvida perante o juízo;
Que duas advogadas do escritório onde trabalha
chamaram-na para uma conversa, pedindo que
conversasse com a Dra. Carla, que atua como advogada de
César, ou então com a Gésika, esposa de César, e
solicitasse que fosse dispensada de ser ouvida em juízo;
Que os argumentos utilizados pelas advogadas era que sendo
dispensada da audiência, não precisaria mentir e também não
prejudicaria o Dr. César; Que da forma em que for interpelada
pelas advogadas, pareceu que as duas estavam querendo
força-la a pedir dispensa da audiência, tendo em vista que
quando respondeu que pensaria, as advogadas insistiram no
assunto; Que a Dra. Ana ainda se ofereceu para ligar para a
Dra. Carla para pedir pessoalmente a sua dispensa; Que nesta
ocasião, sabia que esposa de Godoy iria até o escritório,
ficando com receio de que a advogada fosse falar com Gésika
em seu nome, haja vista que não saberia como falar que não
queria ser dispensada da audiência; Que em outra ocasião a
advogada ainda afirmou que se contasse ao juízo que teria
ido até a Prefeitura para buscar dinheiro, e depositava
esse dinheiro para terceiros iria prejudicar ainda mais o
César; Que a Dra. Ana ainda afirmou que caso contasse
toda a verdade, também poderia já sair com um Inquérito
do Fórum; Que Dra. Ana reforçou que caso depusesse,
poderia se complicar e que seria muito fácil já sair do
Fórum com um processo nas costas depois da audiência;
Que as conversas com as advogadas ocorreram após ser
intimada para a audiência, ocasião em que foi indagada
sobre o que sabia sobre os fatos, sendo que quando
contou sobre o recolhimento do dinheiro, começou a ser
pressionada a não depor; Que recebeu a intimação na quarta-
feira da semana passada (25/09/2019), sendo que na mesma oportunidade já conversou com a advogada, que já naquele
dia começou a constrange-la; Que nos dias seguintes
subsequentes da intimação, mesmo que já tivessem
conversado sobre a audiência a advogada insistia em
continuar conversando sobre o assunto; Que chegou a falar
para as advogadas que quando Godoy a mandava para a
Prefeitura para fazer o recolhimento do dinheiro, este não
pensou no que poderia acontecer e o quanto isso a
prejudicaria, portanto também não iria mentir sobre o que
aconteceu; Que as advogadas falaram para que mentisse
em audiência, afirmando que não buscava envelope com
dinheiro, mas sim com documentos; Que reforça que das
três vezes em que buscou o envelope no setor de imprensa da
Prefeitura, as três vezes eram envelope com dinheiro, sendo
que uma das oportunidades chegou a contar a quantia; Que
reforça também que foi orientada a mentir e também a faltar
com a verdade; Que tem a gravação de um áudio para
apresentar, de uma conversa em que teve com a Dra. Ana;
Que a gravação tem aproximadamente 17min, sendo que a
maioria do tempo a advogada estava tentando convencê-la em
não depor; Que a conversa gravada com a Dra. Ana ocorreu
na tarde de hoje (02/10/2019), no horário próximo das 14h;
Que decidiu realizar a gravação tendo em vista o contexto de
já estar se sentindo pressionada pelas advogadas, haja vista
que durante a semana, as advogadas afirmaram que teriam
que marcar uma reunião para conversarem, bem como para
que fosse instruída sobre o que fazer na ocasião da audiência;
Que gravou a conversa que teve com a Dra. Ana e com a Dra.
Camila, que com Dra. Sandra não teve nenhuma conversa
direta sobre o assunto, no entanto a Dra. Ana e Dra. Camila
afirmaram que conversaram com a Dra. Sandra e que as três
advogadas acharam melhor que não prestasse depoimento em juízo; Que uma das justificativas utilizadas pelas advogadas
para tentar dissuadi-la em depor, foi também que o nome do
escritório não fosse envolvido no escândalo; Que,
indiretamente, sentiu que seu emprego estava em jogo,
tendo em vista que em determinada conversa, uma das
advogadas afirmou que não saberia como ficaria a
situação quando César voltasse caso depusesse e
contasse toda a verdade; Que entendeu que a situação
como um alerta de que caso não fizesse o que as
advogadas estavam pedindo, perderia o emprego; Que as
advogadas sempre a abordaram de forma sutil, no entanto,
quando perceberam que não estava cedendo e que não pediria
dispensa para a Dra. Carla ou para Gésika, a Dra. Camila
elevou o tom de voz, reafirmando que poderia se prejudicar
caso depusesse e que estariam fazendo aquilo para o seu
bem; Que embora não tivesse conversado diretamente com a
Dra. Camila sobre o que sabia sobre, esta a abordou já falando
sobre o assunto, demonstrando que a Dra. Ana teria contado
para a Dra. Camila sobre ter feito o recolhimento do dinheiro;
Que embora não tivesse tido coragem de demissão do
escritório na data de hoje, a sua intenção é pedir desligamento
do emprego; Que tem um pouco de medo de sofrer alguma
espécie de retaliação, seja por virem tirar alguma satisfação,
seja por ser difamada profissionalmente; Que entendeu que
toda a situação foi uma tentativa de manipulação; -transcrição
não literal- (audiovisual, mídia anexa).
Ainda, ciente da ilicitude das pressões que vinha sofrendo, Larissa
gravou conversa ocorrida na tarde de ontem, travada entre a Dra. Anaéli e
testemunha.
Da referida conversa, extraem-se os seguintes trechos mais

00:05
Advogada: […]A Camila não quer que eu nem diga para você
não falar, porque é errado, ela não pode pedir para você
mentir…
[…]
Advogada: se você não depor, você não mente, você não
confirma nada
Testemunha: Sim, eu sei
Advogada: Porque isso é legal, a desistência da testemunha é
legal, basta você requer. Só que a nossa tese, a gente acha
que o Doutor César vai querer te usar para outra coisa. Ele é
ardiloso […] (00: 44 – 01:03) (grifou-se)
Advogada: Quando eu levo a minha testemunha, a minha
intenção com esse depoimento é o que? que este depoimento
colabore com meus fatos e me ajude no processo. Entendeu?
Se você falar o que você me falou, você não vai ajudar em
nada, você vai ser a testemunha que vai dar um tiro no pé
da defesa (02:08 – 02:27) (grifou-se)
Advogada: o ideal para você é que você não mente nada. Na
minha opinião, você deveria ligar para a Jéssica ou para a
Carla falando que você não está se sentindo bem suficiente
para ir lá depor. Que você conversou com sua mãe e que por
tudo que saiu no jornal tua mãe […] que você não quer ir lá
mentir nada, então você está pedindo que desistam da tua
oitiva
Larissa: Por que assim, se o Dr Cesar for me usar, vai ser para
outra coisa, porque eu não sei de nada, eu nunca vi nada, ouvi nada, só isso da Prefeitura, outras coisas eu não tenho
nenhum vínculo com o Dr Cesar e com o Leo muito menos.
Isso que eu achei estranho. Talvez, eles só me arrolaram lá e
mas que vão me dispensar na hora
Advogada: Não, eles não vão desistir. Se eles não te falaram
nada é para você não pensar muito no conteúdo,
provavelmente vão falar lá antes da audiência ou eles só vão
te perguntar na intenção que você responda de maneira
adequada. Não sei o que eles pensam lá. (03: 28 – 05:20)
Advogada: Eu acho sim que você pode ligar para a Carla e
falar para ela que você não se sente confortável, o por quê ela
não pode te dispensar, ela que é a chefe do escritório ali ne
(06:10 – 06:21)
Larissa: Por que eu queria saber o por que eu fui arrolada ali
Advogada: […] do fundo do meu coração, mas tente, eu acho
que você está tentando fazer a coisa da maneira certa, você
tem medo de não, pensa mais em você, […] ai você não fala
nada, não mente nada, não se compromete com nada e vida
que segue. Eu não sei o que eles querem na verdade com o
teu depoimento, não sei porquê. O que você sabe que poderia
ajudar o Dr César? Alguma coisa que você viu o que ele vai te
induzir a responder. É isso que a gente acha. (07:42 – 08:47)
Advogada: Por que na Delegacia, no depoimento dele, ele
tenta trazer a Dra Carla e dai a Carla disse não, isso não,
isso você fez sozinho, você sabe o que estava
acontecendo, é nós estávamos todos juntos. Não você fez,
certeza. Ele é muito bom disso, sabe, ele dá nó. (grifou-se)
Larissa: Mas assim, você acha que ele tentaria me puxar para
dentro?

Advogada: Não é puxar para dentro, mas assim você não tem
como responder por um crime que não cometeu […] não sei
como se chama nesse caso, mas assim como no caso do
Leo você responde com menos gravidade, porque você
colaborava com a prática, se você confessar. (grifou-se)
Larissa: Inconsciente, porque eu não sabia que era para isso
(08:53 – 09:40)
Advogada: só que eu acho que se você se você disser que
sabia do esquema lá, estaria prejudicando muito o Dr
César,[…] e outra automaticamente você é conivente. Até
agora você não sofre nenhuma investigação, mas qualquer
autoridade pode fazer com que você venha sofrer. Por
exemplo, Se você contar que ia na Prefeitura pegar um
envelope para depositar para uma pessoa de Florianópolis,
na mesma hora essa pessoa de Florianópolis vai ser
investigada (11:15 – 11:54) (grifou-se)
Advogada: Quer um conselho? Do fundo do meu coração.[…]
não te prejudica em nada isso. Na verdade só te atrapalhou e
muito, diga que você não está se sentindo confortável, que
você está com problemas que chega (14:15 – 14:34)
A advogada ainda ajuda Larissa a procurar o telefone da
advogada Carla Hoffmam e orienta o que falar para a
profissional:
[…] Para ligar lá e você se identifica, pode ligar daqui do
escritório, você se identifica e diz que é testemunha amanhã
no processo do Cesar Godoy e do Leonardo e que você não
está com está situação em que você queria ver a possibilidade
da sua dispensa de oitiva [14:48 – 15:07]

Larissa: Mas primeiro eu queria falar com ela, perguntar por
que ela quer que eu vá
Advogada: mas você vai acreditar na versão que ela vai lhe
dar?
Larissa: Não sei, primeiro eu vou ver como que ela vai falar
isso, sobre o que é
Advogada: Não é ela que vai fazer as perguntas amanhã,
Larissa: Não eu sei, é o Carlos né
Advogada: Não
Larissa: Quem é que vai ser?
Advogada: César
Larissa: Dr César? Mas ele pode?
Advogada: Auto defesa pode […]
Larissa: Por ele ser advogado ele pode
[…]
Advogada: Diz que era ele que ia presidir a audiência. Pensa
você. Então há possibilidade de você falar teti a teti com ele
[…] (15:08 – 16:26) (mídia anexa).
Dando suporte às suas declarações, Larissa apresentou na
Delegacia conversas tidas pelo aplicativo Whatsapp, com César Godoy, na qual
este informou a conta de Thais Trierweiler para depósito dos valores recolhidos de
Ricardo Baum.

Diante dos fatos aqui apurados, o vereador César Godoy, por meio de interpostas
pessoas, continua a agir visando acobertar crimes diversos.
Tais fatos bem demonstram a propensão do réu em atuar para acobertar outros desdobramentos dos fatos aqui apurados, visando garantir sua impunidade e continuidade de sua prática, colocando em risco a aplicação da lei penal.


Evidentemente, se solto nesta oportunidade, poderá mais facilmente
agir para acobertar crimes conexos e impedir sua devida apuração, perpetuando
sua prática junto àqueles que por interesses diversos ou mesmo medo, optaram em negar a existência dos fatos durante a persecução criminal, tanto na fase policial como judicial.
Ressalta-se que mesmo preso preventivamente, o réu, por
interpostas pessoas, tem agido para intimidar testemunha, inclusive de defesa, e procurar acobertar outros crimes por ele praticados, demonstrando risco concreto
não só à instrução criminal destes autos, mas também da própria ordem pública, eis
que demonstra a reiteração de práticas criminosas.
Veja-se que diversas testemunhas até o momento ouvidas na
instrução processual, principalmente aquelas que no passado tiveram maior contato com o réu, ressaltaram sua personalidade implacável e vingativa.
O próprio áudio apresentado por Larissa referente à conversa com a
Dra. Anaéli, sócia do réu, contém trechos em que esta deixa claro a personalidade
astuciosa de César.
Tais elementos demonstram a periculosidade do agente, que em
liberdade colocaria em risco não só o destino da presente ação penal como também a ordem pública e a aplicação da lei penal.

Nova MultiMarcas
%d blogueiros gostam disto: